Luz vermelha no Piratini


O governador Tarso Genro (PT) soube na China o que já se dizia nos bastidores, aqui no Rio Grande. Seu governo não arrebatou. Uma recente pesquisa do Instituto Methodus constatou isso.

O governador Tarso Genro (PT) soube na China o que já se dizia nos bastidores, aqui no Rio Grande. Seu governo não arrebatou. Uma recente pesquisa do Instituto Methodus constatou isso. A senadora Ana Amélia Lemos (PP) aparece em primeiro lugar na pesquisa estimulada para o governo estadual, em 2014. Ela bateu o atual chefe do Piratini em torno de seis pontos percentuais: Ana Amélia (38,2%), Tarso Genro, do PT, (31,8%). José Ivo Sartori, do PMDB, e Vieira da Cunha, do PDT, conquistaram 5,4% e 4%, respectivamente. Ninguém do PT está querendo acreditar nessa pesquisa, mas, a opinião pública em geral já esperava uma boa performance da senadora progressista nas aferições. O governo Tarso Genro, reconhecem os analistas políticos, criou uma expectativa enorme junto ao eleitorado. A menos de um ano das eleições, a gauchada demonstra clara e publicamente que o governo petista não emplacou. E mais: o chamado alinhamento político ? governo estadual do PT e governo federal ?, tão prometido durante a propaganda política de Tarso, não aconteceu. Pelo contrário, o governo gaúcho se manteve isolado e com grandes dificuldades de superar os problemas surgidos junto ao governo Dilma Rousseff (PT). Circula nos bastidores da capital federal que La Rousseff não nutre a menor simpatia por Tarso Genro. Ninguém sabe as razões de tanta animosidade, mas a imaginação viaja. Às vésperas de indicar dona Dilma como candidata do PT à presidência da República, Lula teria sido desestimulado por Tarso Genro a ?cometer uma aventura?. A frase vazou. Dilma nunca perdoou Tarso por isso. Certa vez, ela chegou a visitar o prefeito de Porto Alegre, José Fogaça (PMDB), para pedir-lhe apoio, mas não deu a mínima para o então pré-candidato do PT ao Piratini. A atitude chocou os petistas. Estava consagrada aí a dissidência. Então, o que se vê agora é nada mais do que o reflexo das desinteligências surgidas entre Dilma e Tarso. Com elas, o governo gaúcho ficou emperrado. Na avaliação dos gaúchos, se o governador fosse da oposição, talvez até tivesse melhor desempenho no Piratini. A pesquisa mostra isso e não favorece Tarso. O seu resultado mostra a tendência de mudança, mas nada é definitivo. Muita coisa está por vir. A grande luta de Tarso Genro é vencer a eleição de 2014, no primeiro turno. Se a disputa alcançar um segundo turno, babaus. Tarso Genro será história. Pelo menos, isso é o que pensam os entusiasmados eleitores de Ana Amélia Lemos, que veem na senadora a retomada do Piratini, que era há alguns anos um sonho impossível.


Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=141756
carregando...