64% dos porto-alegrenses discordaram da greve dos rodoviários


Pesquisa do Instituto Methodus, divulgada pela VOTO, mostra que quase 64% dos porto-alegrenses discordaram da greve dos rodoviários, que durou 15 dias na Capital gaúcha, entre 27 de janeiro e 10 de fevereiro deste ano. Entre os entrevistados, 34,1% apoiaram o movimento e 2% não souberam opinar. Apesar disso, 56,9% disseram considerar eficiente a paralisação, apesar dos transtornos à população. A maioria dos porto-alegrenses, 61,7%, considera o preço da tarifa caro, contra 34,6% que consideram adequado o valor. Apenas 2,8% disseram ser barato e 1%, não soube responder. O levantamento divulgado nesta semana aponta ainda que para 43% a alternativa de transporte durante a paralisação foi a lotação. Para 19,4%, a opção foi ir a pé, e, com quase o mesmo percentual (18,1%), usaram a carona. A utilização das vans escolares e de táxi também foi identificada como alternativa, recebendo, respectivamente, a adesão de 13,9% e 10,7% dos entrevistados. Um destaque foi o ponto que abordou os motivos da greve. Para 51,1% dos entrevistados, a paralisação estava relacionada ao aumento salarial e benefícios para os trabalhadores. Já 35,1% dos porto-alegrenses acreditavam que o movimento uma pressão dos empresários para o aumento do preço da passagem. E 12,8% consideraram que a greve teve motivação política para desgastar o prefeito José Fortunati. Outro ponto interessante foi sobre a visão da população sobre os principais responsáveis da greve. Neste questionamento, quase 60% disseram acreditar que a culpa foi das empresas de transporte coletivo, seguido pela Prefeitura, com 46%. Para 29,3% dos entrevistados, a responsabilidade era do governo do Estado e, para 27,8%, dos rodoviários.


Fonte: http://www.revistavoto.com.br/site/noticias_interna.php?id=4959&t=64%_dos_porto+alegrenses_discordaram_da_greve_dos_rodoviarios
carregando...