Últimos Artigos

Uma das principais razões pelas quais a prevenção e o cuidado com a coisa pública não trazem votos é que tais medidas são, por natureza, invisíveis e seus benefícios não são imediatamente perceptíveis. Medidas preventivas, como a construção de infraestruturas para evitar enchentes ou a implementação de políticas ambientais rigorosas, podem não ter um impacto visível no curto prazo.

O texto aborda as polêmicas em torno das pesquisas eleitorais durante períodos eleitorais, destacando a falta de compreensão sobre sua metodologia. Utilizando o exemplo de uma pesquisa divulgada em Porto Alegre, o autor discute a coleta de dados via redes sociais, a ponderação das amostras e as fontes de dados utilizadas. Apesar das críticas e questionamentos, o texto ressalta a importância da educação política e da transparência nas pesquisas, enfatizando a necessidade de compreender as discrepâncias sem descreditar os resultados.

O conflito e a cooperação surgem da escassez de recursos, como observado no Rio Grande do Sul durante as cheias de maio. A crise resultante da rápida invasão das águas gerou uma crise de legitimidade política, levando a população a cooperar independentemente das instituições públicas. Esse cenário impacta as próximas eleições municipais, com a confiança na liderança local em questão. Nossa pesquisa revelou que a decisão de voto foi significativamente afetada pela confiança na capacidade de reconstrução: 38,9% dos que confiam, 56,6% dos que confiam pouco e 77,4% dos que não confiam. A crise de legitimidade e a desconfiança moldarão o cenário eleitoral, exigindo propostas claras e comprometimento dos políticos para reconquistar a confiança dos eleitores.